De quem é a casa?


O terreno já foi escolhido no Central Park! Excelente escolha!

Mas e agora? Como decidir o projeto da casa? Quem contratar? Por onde começa?


Tenho visto cada vez mais casas desenhadas em blocos contemporâneos e o que seria isso?

A década de 80 teve uma arquitetura bem marcante com casas em linhas retas, platibanda, muito alumino e granito. Sei bem o que isso, pois a casa em que moro é dessa época e acompanhei a construção (uma grande reforma na verdade).


Se andarmos pela cidade de São Paulo, veremos diversas casas nesse estilo arquitetônico que ficou bem marcante! Não que outros estilos de outras décadas não fossem marcantes também, mas esse acompanhei muito de perto.


Digo isso porque hoje, pelo menos nos condomínios que visitei e no que vou morar, as casas seguem um estilo que para mim lembra essas casas da década de 1980.

Se prestarem atenção a maioria tem platibanda, formas retas encaixadas em blocos e detalhes que representam esse conceito contemporâneo.



Isso é ruim? De forma alguma! Mas a pergunta é, você quer uma casa nesse estilo? Será que recebeu influência do arquiteto? Será que tem receio de fazer algo diferente? Medo de seguir algo oposto?


Nossa casa segue um estilo clássico europeu com toques contemporâneos, não sou arquiteta nem decoradora, mas sei que apesar de achar as casas contemporâneas lindíssimas, jamais me sentiria bem morando em uma.



Somos, meu marido e eu, frequentadores de antiquários, bazares de caridade e gostamos demais do tradicional. Para pensar no modelo que queríamos para nossa casa, segui um painel (chamo de ambiência como aprendi na faculdade de moda que fiz), onde por pelo menos 10 anos coloquei imagens que adoro.



Fui professora de coleção de moda e sempre ensinei como criar coleções onde um dos exercícios criativos é em imagens que nos inspira. Fiz uma ambiência no Tumblr e se quiser ver essa coleção, vai lá!


Nas imagens verá que diversas vezes repito o mesmo estilo de banheiro e como disse, não sou decoradora e resolvi seguir o que vejo nesses ambientes.



Ouvi um dia desses de um arquiteto, que ele precisa fazer um projeto a cada dois dias e por isso, nem pensar em mudar muita coisa. Aí eu penso, uma casa é algo muito permanente e como podemos construir algo que, muitas vezes é o maior dinheiro das nossas vidas, em algo pensado por nós em tão pouco tempo? Já imaginei esse arquiteto em frente seu Auto Cad só mudando blocos de lugar.



A grande dificuldade é encontrar alguém que se arrisque a construir de acordo com algo que não é moda e tivemos muita sorte na escolha! Mais ainda, um arquiteto que entenda, interprete e consiga decifrar as inúmeras imagens que apresentei como referência.


A Fabiola Nobrega nossa arquiteta, acertou de primeira! Com uma visão de artista, ela entendeu minha inspiração e desenhou exatamente o que estava em meus sonhos. Eu já estava exausta em ter apenas pensamentos de como tudo deveria ser.

Tentei desenhar algumas vezes mas só mesmo uma arquiteta para traduzir, pois eu não conseguia encaixar os ambientes, tudo parecia ser impossível e eu já não aguentava mais não ter tudo isso de forma concreta. Desespero.


Sobre a escolha de quem seria a empresa para construir nossa casa, leve sempre em consideração se possível, os corretores do plantão de vendas do empreendimento. Agradeço para sempre a Andrea, nossa corretora por ter indicado o Martinho.



A Construmart (empresa do Martinho) enfrentou o desafio e aceitou a construção da nossa casa em um estilo nada convencional do que é feito nos dias de hoje. A começar pela cor da casa. Visitei San Francisco na Califórnia algumas vezes (deveria morar lá na verdade) e quem conhece ou já viu fotos dessa cidade, sabe das casas lindíssimas nas mais diversas cores. Lá é bem comum casas pretas, vermelhas, cinza escuro. E essa última cor é a que planejei para nós!



Apesar de ser uma casa clássica, muitos foram os desafios. Diversos acabamentos, formas e conceitos diferentes foram de encontro com o que se "costuma fazer" na construção civil e a gente acaba passando por um cliente difícil.


Por sorte mais uma vez, o Brasil tem excelentes empresas, apesar dos preços não serem tão atrativos, que seguem as tendências internacionais e aos poucos, estamos conseguindo comprar todos os acabamentos. Confesso que sou altamente influenciada pelos sites que visito (www.houzz.com e www.marthastewart.com).


Em algum momento conto sobre as janelas ! Esse é um capítulo à parte e já fiquei tão nervosa que pretendo reservar um post só para falar sobre elas. Aguarde.



Visite casas prontas das empresas ou empreiteiros que as fizeram, vejam os acabamentos, piso, paredes, rodapé, gesso e todos os detalhes! Orçamos com umas seis empresas, mas quando vimos uma casa pronta do Martinho, não tivemos dúvida!


Enfim, o que escrevi é a forma que encontrei para dizer que - A casa é sua -!

Digo isso porque se você pretende construir tenha isso em mente desde o início! Acredite!

Tenha certeza do que gosta e planejou, lembre-se do que sonhou para você e sua família e que o dinheiro que tem para essa realização, precisa ser extremamente bem pensado!

Sempre, mas sempre terá surpresas e na maioria das vezes não serão tão agradáveis!


Mas vale a pena! Eu sou doida por arquitetura e só não estudei para ser arquiteta, porque sabia que essa paixão seria só para construção da minha casa!


Qualquer indicação de profissionais ou empresas, são só porque acredito neles, ninguém paga nadinha para aparecer aqui :)


71 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Decisão

© 2021 por Hatawata Design