top of page

Não sou cliente portanto...


Uma pessoa passou em frente uma vitrine, viu algumas peças lindas e quis ter uma delas. Olhou na sua bolsa e viu que não tinha dinheiro suficiente ou, tinha dinheiro para gastar com outras coisas como guloseimas em uma padaria próxima, um cafezinho, produtos para sua casa enfim, diversos outros itens.



Mas e o dinheiro para a blusa linda que viu? Sua amiga comprou algumas e até poderia compartilhar o que seria bem bacana! Mas nesse caso, a pessoa entrou na loja, pegou uma ou duas blusas, vestiu e saiu.

Ela disse que jamais seria cliente daquela loja, mesmo gostando muito dos produtos, mas como não tinha dinheiro não poderia ser cliente por isso, pegou "emprestado", só por um tempinho!



Vamos pensar agora pelo ponto de vista do lojista.

Ele planejou a coleção ou pagou para que alguém desenhasse ou ainda, investiu seu dinheiro para ter os produtos comprados em seus fornecedores.

Alugou o ponto de venda, teve que trocar lâmpadas e trocar o piso, pois o anterior estava péssimo e não daria uma boa impressão aos seus clientes.



Contratou uma atendente e a treinou para receber todos com extrema educação.

Ele sonhava em ter algo que mantivesse sua familia bem, com um certo conforto e pudesse deixar de herança aos seus filhos.



Ele se tornou um comerciante de certo sucesso e melhorou seu nivel de vida, abrindo seu comércio bem cedinho quando o Sol ainda nem aparecia no horizonte, para que tudo em sua loja ficasse em ordem.



Seu almoço era um lanche que trazia de casa, pois não tinha tempo de ir até a padaria ali perto e quase sempre, perdia a chance de jantar com sua familia, por ter que atender fornecedores e organizar o estoque após um dia exaustivo.



A atendente que contratou, morava muito longe da loja e tinha uma rotina bem pesada. Deixava seu filho com sua mãe todas as manhãs e pegava dois ônibus para chegar ao trabalho.


Na loja se dedicava a atender todos muito bem, dependia daquele emprego, precisava além de comida e roupas como todo mundo, comprar remédios para seu filho, que às vezes sofria com o tempo seco e precisava de alguns medicamentos um tanto caros.





Passava sempre em frente uma loja com brinquedos lindos! Queria muito comprá-los para seu filho, mas como a pessoa lá no início desse texto, jamais pensaria ser possível ser cliente da loja de brinquedos, mas sabe que ela nunca pensou que poderia entrar e pegar "emprestado" por um tempinho?


Moral da história...

2 Comments


Turca Crochê
Turca Crochê
Aug 13, 2021

Excelente reflexão. As pessoas se acham no direito de "usar" as outras, o trabalho, o tempo, o investimento das outras e dispor do que não lhes pertence. E o motivo é porque lhes parece "justo"... Não podem se sentir privadas de nada doa a quem doer. Em alguns lugares ainda se corta a mão de quem se apropria do que não é seu. Imagine se isso se aplicasse aqui no virtual...

Like
elacamarena
elacamarena
Aug 13, 2021
Replying to

Pois é...acredito que do momento que nos interessamos por algo e queremos, nos tornamos clientes potenciais, não ter dinheiro prá comprar não nos exclui como cliente, pegar de qualquer forma mesmo que seja a partir de outra pessoa tem um nome né?

Pensar em, mas não seria cliente, é uma forma muito, mas muito torta prá justificar não comprar e tentar de outra forma. Triste.

Like
bottom of page